quarta-feira, novembro 21, 2007

COLETÂNEAS/"A NOVA VISÃO - DE BLAKE AOS BEATS'/"RE-HABITAR - ENSAIOS E POEMAS"

Gary Snyder

O QUE VOCÊ DEVIA SABER PRA SER UM POETA



tudo que puder sobre animais, pessoas.
nomes de árvores e flores e ervas.
nomes de estrelas, e o movimento da lua
e dos planetas.

seus próprios sextos sentidos, com uma mente ligada e elegante.

pelo menos um tipo de mágica tradicional:
adivinhação, astrologia, o livro das mudanças, o tarô;

sonhos.
os demônios ilusórios e os deuses ilusórios e brilhantes;

beijar o cu do demo e comer merda;
foder seu pau farpado e tarado,
foder a bruxa,
e todos os anjos celestiais
e donzelas perfumadas e douradas –

& então amar o humano: esposas maridos e amigos.

jogos infantis, gibis, chiclete,
a piração da propaganda e da TV.

trabalho, longas horas de trabalho chato engolido e aceito
e convivido e enfim amado. Cansaço,
fome, descanso.

a liberdade selvagem da dança, êxtase
silente e solitária iluminação, êntase

perigo real. jogos. e o gume da morte.



GARY SNYDER

(tradução:Rodrigo Garcia Lopes)
Michael McClure



O MISTÉRIO DA CAÇA


É o mistério da caça o que me intriga,
Que nos lança como lemingues, mas cuidadosamente —
Em busca de uma nuvem quadrada cintilante — cheiro de limão
verbena
Ou aprender as regras do jogo que a lontra marinha
Pratica nas ondas.
São essas coisas mínimas — e o segredo atrás delas
Que enchem o coração.
O modelo, o espírito, demônio ígneo
Que tudo une
E empurra sua liberdade em nossos sentidos,

Aroma de um arbusto, uma nuvem, a ação dos animais.

— A subida, a exuberância, quando todo mistério se revela.
São essas coisas mínimas
Que, quando trazidas à visão, viram um inferno.



Nota: lemingues: (zool). pequeno roedor das regiões árticas


Michael McClure
(Tradução: Rodrigo Garcia Lopes)


Textos desvendam lógica de geração

RODRIGO GARCIA LOPES
ESPECIAL PARA A FOLHA

Gary Snyder e Michael McClure são dois dos últimos representantes da geração beat, o mais importante movimento literário e contracultural dos EUA no século 20. Tendo influenciado escritores e artistas em todo o mundo, os beats rejeitavam o convencionalismo e a frieza acadêmica que permeava boa parte da "poesia oficial" da época, além de serem críticos ferinos do "american way of life". Para comemorar os 50 anos da famosa leitura coletiva na Six Gallery (San Francisco, dezembro de 1955), que deslanchou o movimento, duas coletâneas desses autores centrais chegam ao Brasil.
Em sua introdução, Sergio Cohn afasta um equívoco ainda persistente entre nós, o de que a geração beat foi um fenômeno mais comportamental que literário: "A poesia beat foi marcada por uma intensa reflexão sobre a literatura e o fazer poético. Que essa reflexão esteja associada a um pensamento político e existencial só a torna mais vigorosa". Na tradição transcendentalista de Thoreau, Emerson e Whitman, os escritos de Snyder e McClure comungam uma profunda consciência de seu ofício, além do conhecimento de budismo, antropologia, mitologias ameríndias e filosofia. Há uma consciência ecológica, muito antes disso se tornar uma preocupação mundial.
"A Nova Visão - De Blake aos Beats" é uma ótima introdução para a poesia "animal" e o pensamento do poeta, romancista e dramaturgo McClure. Traz textos sobre suas experiências com o peiote, sobre Blake e Artaud, e discorre sobre as relações intrínsecas que ele observa entre poesia e biologia. Também destaca a influência do verso projetivo de Charles Olson, enquanto incorpora a noção de que a poesia -"produto da carne tocando a experiência"- é movida por um princípio muscular. Caracteristicamente centralizados na página, e fazendo uso de capitulares, seus poemas se assemelham a organismos vivos. São espaços verbais em que o poeta ambiciona atingir as muitas dimensões da experiência e da auto-experiência.
Em competente tradução de Luci Collin, "Re-Habitar - Ensaios e Poemas" reúne momentos altos da poesia zen de Snyder, marcada pela poesia oriental, pelo sentido de lugar e pelo imagismo. Já em seus ensaios, entre análises da geração beat, Snyder discorre sobre ecologia (inclusive com referências ao Brasil), sobre o mito do coiote e a importância da etnopoesia: "O estudo das poesias e poéticas de povos iletrados é como um campo da zoologia que estuda espécies em extinção. Devemos ter uma preocupação com isso porque as culturas que compõem e executam tais poemas e canções estão rapidamente desaparecendo". No Brasil, ainda estamos longe de um resgate das tradições afro-indígenas, ao contrário do que ocorre nos EUA desde os anos 60.
Muitos posicionamentos dos ensaios podem soar ingênuos num mundo que caminha lentamente para a autodestruição, mas não deixam de ser verdadeiras aulas de ética estética para os poetas de agora. Em tempos pessimistas, de consumo desenfreado, terrorismo e guerras religiosas, ainda vale a pena ouvir o que essas vozes importantes da literatura americana têm a dizer. Pois, como diz Snyder (recitando Olson), para os escritores conscientes de seu tempo, os que sabem que correr riscos apenas no plano formal é insuficiente, "o que não muda/ é a vontade de mudar".


Rodrigo Garcia Lopes é autor de "Vozes & Visões: Panorama da Arte e Cultura Norte-Americanas Hoje" (Iluminuras), "Nômada" (Lamparina) e "visibilia" (Travessa dos Editores)

A Nova Visão - De Blake aos Beats

Autor: Michael McClure
Tradução: Daniel Bueno, Luiza Leite e Sergio Cohn
Editora: Azougue
Quanto: R$ 42 (288 págs.)

Re-Habitar - Ensaios e Poemas

Autor: Gary Snyder
Tradução: Luci Collin
Editora: Azougue
Quanto: R$ 46 (320 págs.)

Um comentário:

Rafael disse...

Rodrigo, gosto muito daquele poema "Greve dos lenhadores de 74", do Gary.

"...soprado como pó, sem lugar pra trabalhar..."

esse livro é um dos meus preferidos.