sábado, outubro 25, 2008




outono agora

o que os olhos vêem

já é memória


2 comentários:

paulo de toledo disse...

oi, rodrigo.
bem legal teu poema.
lembrei de um meu, meio antiguinho.

eMvÔoFoLhAsDeOuToNoOuToRgAmOuTrAhOrToGrAfIa

abrações

Micha disse...

sharp e delicado ao mesmo tempo. Belissima imagem (nos dois sentidos). Well done.