domingo, dezembro 10, 2006

UM SUPERMERCADO NA CALIFÓRNIA (de Allen Ginsberg)



















Cada pensamento tive com você, Walt Whitman, enquanto caminhava
pelas calçadas sob as árvores com dor-de-cabeça consciente de mim olhando a lua cheia.
Cansado de fome, fazendo shopping de imagens, fui até o néon do supermercado de frutas, sonhando com suas enumerações!
Que pêssegos, que penumbras! Famílias inteiras indo pro shopping de noite! Corredores cheios de maridos! Esposas nos abacates, bebês nos tomates! –
e você, Garcia Lorca, o que fazia no meio das melancias ?

Eu vi você, Walt Whitman, sem filhos, velho safado solitário, fuçando as carnes do refrigerador e paquerando os garotos da seção de verduras.
Peguei você fazendo perguntas pra eles: Quem matou as costeletas de porco?

Quanto custa a banana? Você é meu Anjo?
Entrei e saí das prateleiras de enlatados te seguindo,
e eu na minha cabeça sendo seguido pelo segurança.

Vadiamos juntos pelos corredores abertos em nossa imaginação solitária
provando alcachofras, passando a mão nos congelados sem nunca passar pelo caixa.

Pra onde agora, Walt Whitman? As portas se fecham em uma hora.

Pra que direção sua barba aponta esta noite ?
(Toco seu livro e sonho com nossa odisséia no super e me sinto absurdo.)
Vamos andar a noite inteira pelas ruas solitárias? Àrvores somam sombras às sombras, luzes se apagam nas casas, logo estaremos sós.
Vamos passear sonhando com a América perdida do amor cruzando os carros azuis

nas estradas, de volta pra nossa cabana silenciosa?
Ah, querido pai, de barba grisalha, velho e solitário professor de coragem, qual América tinha na mente quando Caronte parou de empurrar a barca e te deixou na margem nevoenta olhando-a sumir nas águas negras do Letes?




Tradução: Rodrigo Garcia Lopes

9 comentários:

Victor Paes disse...

Sou o Victor, editor da Revista Confraria. Como vão as coisas?
Quero te convidar para conhecer meu blog: asdistracoes.blogspot.com
Coloquei o seu como link lá. Não quero botar muitos links, quero selecionar bem, e gosto muito do seu blog. Dá uma lida no meu e me diz o que achou... Um grande abraço.

Estúdio Realidade disse...

valeu, já linquei a revista. falta só seu blog, abraço
rodrigo

miguel cordeiro disse...

me falaram do seu blog qdo vc postou a oração do dia de graças de burroughs.
gostei muito e o linkei tb no meu blog e peço para vc dar uma checada. o endereço é:

http://www.miguelcordeiroarquivos.blogger.com.br/

Estúdio Realidade disse...

falou, miguel, legal
um abraço

Victor Paes disse...

Valeu, cara. Um link no seu blog vai ser muito importante pra mim. Abração.

Anônimo disse...

falando nisso, olha só:
www.segundasemtv.zip.net

célia musilli disse...

lindo texto...
Rodrigo, vc está no Brasil? acho que sim, vi que vai fazer uma participação em Sampa num lançamento de livros. Se vier a Londrina, me procure para uma cerveja e um papo...beijosss

marilia disse...

O que é aterrador neste poema é constatar é que o tempo o destrói. Olhando o fundo do caleidoscópio dá pra entender poque haicai é uma moda distorcida no ocidente. Como é mesmo? "O mundo não acaba com um estrondo, mas com um suspiro".

Anônimo disse...

ler todo o blog, muito bom